A Escola como Apoio durante a Quarentena

16 Apr 2020

A educação infantil, com aulas suspensas há cerca de um mês diante da pandemia da COVID-19, encontrou um desafio completamente novo para sua equipe e famílias que são atendidas diariamente em suas escolas: como manter o fluxo criativo, de atividades e cuidado das crianças em tempos que o convívio além do berço familiar foi rompido?

 

A rotina da escola voltada exclusivamente para crianças é estruturada não somente na educação e formação pedagógica dos pequenos, existem dentro das escolas de educação infantil um zelo e proteção baseados na criação de laços de afeto com as professoras, coordenados, demais funcionários e os amiguinhos de sala. É ali, no corredor entre a sala e o refeitório, do parquinho até o portão da entrada, que as crianças se desenvolvem e crescem. O rompimento desse cotidiano é drástico nesse período de isolamento social que se alonga e é tão necessário, para diminuir este impacto e manter presente a escola e os laços criados com ela, ferramentas precisaram ser encontradas para que tal conexão seja cultivada.

 

 

 

O dia a dia pode ser conduzido dentro de casa com uma rotina preestabelecida pela família, de maneira que as brincadeiras sejam mais direcionadas e o ambiente de casa se torne um território explorável. Nem todas as crianças dispõe de uma área externa - mas dá para criar um cantinho que remeta a este “brincar no parquinho”, com brinquedos e materiais selecionados. Uma parede que possa ser pintada livremente é uma janela de tranquilidade ao longo do dia, tanto para as famílias que também estão exercendo home office e precisam de concentração, quanto para a criança que está com dificuldade em aceitar esse novo dia a dia de confinamento. Os horários também podem ser mantidos dentro da proporção daquilo que a escola oferecia: na primeira hora da manhã, um café da manhã com frutas, uma atividade física antes do almoço (pode ser esconde-esconde, pega-pega, circuitos de desafios, jogar bola), almoço e soninho, partindo então para a tarde, com uma atividade com tinta, argila, um lanchinho, encerrando o dia com uma leitura de um livro preferido e o jantar. Manter etapas deste processo acarreta em um retorno à escola, após o fim do isolamento social, mais fácil de se adaptar. Algumas escolas têm até mesmo enviado às famílias uma sugestão de cronograma para ser seguido, para que a rotina seja mais confortável a cada um. 

 

Buscando ajudar os pais, as escolas também têm procurado ferramentas de suporte que, por mais novas e ainda em processo de adaptação que estejam, são uma solução adequada para um momento de contato pessoal reduzido e prestação de serviço diferenciada. Plataformas de reuniões online têm sido um respiro em meio a tantos questionamentos - através do Zoom, Hang Outs, ou Skype, a equipe pedagógica consegue conduzir as famílias, entendendo e se aproximando das necessidades diárias. Ainda aproveitando tais redes de apoio online, é possível todo dia criar 40 minutinhos de aula - um tempo hábil de atenção das crianças ao computador ou celular - para que as turminhas interajam, vejam os amigos e a professora e não percam, de maneira alguma, este vínculo.


 

“Se eu quero despertar o interesse preciso estar com três cartas da manga: ouvir a criança, ter o espaço do ócio criativo e proporcionar um ambiente com diversos materiais criativos.

 

Em relação ao ensino em casa, é compreender que esse momento com as crianças em casa não se reduz apenas a conteúdo que a escola te manda e que você tem que cumprir. Ele é muito maior. Para você despertar o interesse da criança, tem que levar em consideração os outros momentos da criança e não só o momento do interesse de cumprir com esses conteúdos escolares. Uma forma de você ajudar a criança a compreender esses conteúdos escolares é uma organização. É ter um espaço na casa onde estejam escritas as disciplinas, as tarefas que elas têm que cumprir, como está a semana, se estão tendo aula online, tudo sempre muito visual, colorido, as crianças são visuais. Então é pensar nesse formato e até construí-lo com elas.”  

 

Matéria: https://www.nexojornal.com.br/expresso/2020/03/28/Os-desafios-de-ensinar-crian%C3%A7as-em-casa-na-quarentena

 

 

Mesmo à distância, esta rede de apoio na qual a escola se constitui diante da pandemia, é preciosa para que as crianças continuem ativas e as famílias seguras. Materiais pedagógicos podem ser encaminhados, sugestões, dicas, e a presença online que se torna essencial. É de conhecimento mútuo que não é o acesso adequado às crianças, principalmente em uma geração que devemos pensar na preservação do ambiente real e o distanciamento do virtual, contudo, é necessário compreender a existência de um estado de alerta que pede por soluções imediatas e que funcionem dentro da perspectiva de cada um estar na própria casa. Os profissionais das escolas possuem plena e ampla capacidade de ser um fio condutor, prestando este suporte remoto aos pais, tranquilizando-os e cedendo propostas que possam ser adaptadas para dentro de casa, com cada escola transmitindo sua essência através destas abordagens. 

 

Ainda que de longe, a escola enfatiza a importância de manter o contato firme com as famílias e o direcionamento de propostas de cronograma, atividades e rotina com os pequenos dentro de casa, de maneira profissional e dentro do que já é trabalhado em sala - pois, em isolamento social ou não, o afeto transmitido por uma escola de educação infantil é essencial na construção do dia a dia de cada um.

 



“O cotidiano é o principal conteúdo na primeira infância e neste momento específico cabe à escola orientar as famílias, direcionando algumas atividades relacionadas às áreas de conhecimento de forma leve e atrativa, possíveis para os diversos contextos em que as famílias possam estar inseridas agora”

 

Matéria: https://www.nexojornal.com.br/expresso/2020/03/28/Os-desafios-de-ensinar-crian%C3%A7as-em-casa-na-quarentena

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

©2018 por Assepei. Orgulhosamente criado por FabrikArt

Siga-nos nas redes sociais!

  • Facebook Assepei